Braga Ciclável aplaude “manutenção profunda” da ciclovia de Lamaçães, mas aponta erros no seu prolongamento à Universidade

Braga Ciclável aplaude “manutenção profunda” da ciclovia de Lamaçães, mas aponta erros no seu prolongamento à Universidade


A Braga Ciclável vem aplaudir a tão desejada e necessária intervenção na pista ciclável de Lamaçães, intervenção essa que vinha sendo reivindicada há muitos anos pela associação e por todos os utilizadores daquela pista ciclável. A reorganização e proteção das rotundas, a reorganização do estacionamento, assim como a reformulação de toda a pista ciclável, são fundamentais para garantir a segurança de todos os utilizadores daquela Avenida.

É desejável que, no seguimento da conclusão da intervenção, exista já um plano de manutenção previsto para a rede ciclável que permita uma conservação cuidada destas infraestruturas. Assim se evitará a necessidade de investimentos avultados devido a intervenções que acontecem apenas de 10 em 10 anos.

A Braga Ciclável não pode deixar de demonstrar o seu espanto pela insistente manutenção de situações apresentadas há 3 anos, em reunião privada entre os responsáveis do trânsito e da mobilidade, na qual foram deixadas algumas recomendações por parte da associação no sentido da resolução de alguns pontos problemáticos.

Não se compreende como é que na Avenida dos Lusíadas, uma avenida com 24m de largura, quatro vias sobredimensionadas de trânsito automóvel e pouquíssimo tráfego rodoviário, se opta pelo abate de seis árvores saudáveis e a construção de uma perigosa ciclovia bidirecional. Somos da opinião, devidamente fundamentada em parâmetros legais, de que neste caso específico, a pista ciclável pode e deve ser unidirecional em cada um dos sentidos e que deverá ser executada sem que isso implique o abate das árvores, que tão necessárias são para as nossas cidades e para os seus habitantes.

Não se compreende igualmente como é que em quatro momentos a pista ciclável é interrompida e o atravessamento que devia ser de velocípedes, é unicamente de peões, originando nuns verdadeiros “remendos” no meio das rotundas.

“Foi a IP – Infraestruturas de Portugal que obrigou”, dizem os técnicos e responsáveis do Município. Pois bem, se a negociação com o técnico da IP, que avalia a situação à distância, não vai ao encontro das necessidades da cidade e das boas práticas, então deverá requerer-se à IP a transferência de competências desta Avenida, ou deste troço de Avenida, para o Município, executando um plano especificamente adequado ao lugar.

Não se compreende também que, na Avenida de Gualtar, com 22m de largura e quatro vias de trânsito, não se passe a ter apenas duas vias de trânsito e se criem ali duas ciclovias unidirecionais, fazendo um percurso de 200m, para depois continuar pela Rua da Estrada Nova, tal como Previsto no PDM – Plano Diretor Municipal. Ao invés disso, o carro fica com o caminho mais direto e mais rápido, enquanto que quem for de bicicleta é obrigado a dar uma volta que implica o dobro da distância percorrida pelo carro.

Estes contributos e comentários estão vertidos num documento, que agora tornamos público, e que foi enviado às 09:54 do dia 21 de fevereiro de 2017, intitulado “Recomendações da Associação Braga Ciclável sobre o Projeto da Rede Ciclável Urbana (Fase 1: 15 km)”, e enviado, em exclusivo, para o Gabinete do Vereador da Mobilidade. Até à data não obtivemos qualquer resposta.

Continuamos assim a aguardar, ansiosamente, pela intervenção nos restantes 12 km que complementarão a intervenção, no corrente ano, da Ciclovia de Lamaçães e sua extensão a Gualtar.

A mobilidade dos bits

A mobilidade dos bits


Desde que, no dia 18 de março, foi decretado o estado de emergência em Portugal, que todos nós passamos a viver de forma diferente. De repente, muitas tarefas que fazíamos de uma dada maneira passaram a ser feitas de outra. Em alguns casos, essa mudança foi muito brusca e obrigou-nos a uma grande capacidade de adaptação.

Um lado positivo desta crise provocada pelo corona vírus assenta na possibilidade de passarmos a viver segundo um novo paradigma. Coisas que dantes eram pouco adequadas, proibidas ou mesmo ilegais, passaram, num ápice, a ser normais, boas ou permitidas. Todos teremos certamente exemplos de situações em que isto nos aconteceu recentemente. Vou dar aqui dois exemplos de coisas que passei a fazer, enquanto professor universitário, e que não eram permitidas dantes.

Subitamente, passei a ter que dar as minhas aulas em casa, com os meus alunos também em casa. A universidade onde lecciono já tinha uma plataforma para ensino à distância, mas era muito pouco usada. Mas agora, eu e muitos dos meus colegas estamos a usar essas funcionalidades que estavam como que adormecidas. Não é obviamente a mesma coisa, mas a experiência tem mostrado várias vantagens.

No âmbito de júris para preenchimento de vagas de professor, dantes eu era obrigado a deslocar-me ao Porto, a Vila Real, a Lisboa, para reunir com outros colegas. A minha participação nessas reuniões só era possível se eu comparecesse fisicamente nas instalações da universidade que abriu as vagas. Há dias, reuni com outros colegas de diferentes universidades, no âmbito dum destes concursos, por vídeo-conferência, cada um de nós em sua casa. Correu tudo bem e não vi nenhuma desvantagem em se ter recorrido às tecnologias de comunicação.

Estes dois exemplos mostram que passamos a fazer muitas coisas de forma diferente. E não mudámos antes, por resistência à mudança, por inércia, por acharmos que o modo como procedíamos era o melhor. Esta crise, quando passar, deve ser aproveitada para aumentar a utilização de tecnologias de informação e comunicação de uma forma ainda mais alargada.

Não advogo aqui que passemos a fazer tudo em casa. Isso não é possível em muitos casos, nem desejável noutros. Se o fizermos em todas as áreas da atividade humana, deixaremos de precisar de nos deslocar tantas vezes. Em vez de nos deslocarmos, mover-se-ão os bits pelas estradas da informação. Para que isso suceda, é preciso dotar o país com essas estradas de bits e a população com os respetivos meios de acesso. E as instituições/empresas têm que implementar mecanismos de suporte informático às suas atividades.

Poderá estar aqui uma excelente oportunidade para todos nós termos menos necessidade de nos deslocarmos para realizar tarefas que podem ser feitas em qualquer lado. No âmbito da mobilidade, poderíamos, com esta mudança de paradigma, dar origem a cidades mais amigas do peão e do ciclista. Havendo menos deslocações, há em média mais espaço para quem circula e é mais seguro circular em modos suaves. Há já várias cidades (Barcelona, Madrid, Londres, Milão, Paris, Berlim, Bogotá) a implementar medidas que, a propósito das novas condições de convivência, estão a alargar as ruas e as ciclovias para facilitar o trânsito de peões e ciclistas.

Será que, em Braga, se vai também aproveitar esta nova realidade para democratizar o espaço público?

Intervenção na Rua Nova de Santa Cruz – Um presente armadilhado?

Intervenção na Rua Nova de Santa Cruz – Um presente armadilhado?


A Rua Nova de Santa Cruz, atualmente atravessada pela Avenida Padre Júlio Fragata, liga a Universidade do Minho à Rua D. Pedro V e, consequentemente ao Centro Histórico da Cidade de Braga. Esse conjunto linear de ruas é desde tempos imemoriais um importante eixo de mobilidade desta cidade, sendo que nos dias de hoje desempenha um papel singular na circulação de transportes coletivos e utilizadores de bicicleta entre o centro e toda a zona Este. O facto de ser o percurso mais direto entre o centro e a zona universitária, aliado a um volume de tráfego automóvel reduzido, com velocidades de circulação moderadas, permitiram aos ciclistas encontrar ali uma rota prática e relativamente segura para as suas deslocações diárias.

Desde 2012 que a Braga Ciclável defende que este eixo deve ser melhorado, por forma a promover os modos ativos e o transporte público, uma vez que é o eixo com maior procura quer pelos utilizadores da bicicleta e por quem se desloca a pé. Nomeadamente, consideramos que deve ser melhorado o piso da faixa de rodagem e dos passeios, e criadas condições para circulação em segurança de ciclistas em ambos os sentidos, ajustando a sinalização conforme necessário e implementando medidas efetivas de acalmia de trânsito. Adicionalmente, deverá também ser reposto o atravessamento de nível da Av. Padre Júlio Fragata, devolvendo assim à população a ligação direta entre os dois trechos da Rua Nova de Santa Cruz.

Foi por isso com entusiasmo e curiosidade que recebemos há dias a notícia de que a Câmara Municipal de Braga se preparava para intervir finalmente naquela rua. No passado dia 6 de janeiro, foi revelado, na escola Dr. Francisco Sanches, o projeto que começou há dias a ser executado e que deverá ficar pronto em cerca de 9 meses.

A apresentação não incidiu em todos os detalhes do projeto, pelo que é natural que algumas das nossas dúvidas e preocupações possam ter sido acauteladas pelos projetistas. Ainda assim, do que conseguimos perceber durante a apresentação, este projeto levará à existência de uma plataforma única entre a Rua da Fábrica e a Rotunda da Universidade do Minho. Isto é, ao longo de 700 metros a rua será toda ao mesmo nível, não havendo diferenças de cota. É útil lembrar que o perfil da rua é de 9,77 metros, o que permite ter passeios de 1,5 metros podendo os restantes 6,77 metros serem distribuídos para a utilização por parte de veículos.

De acordo com o que o Município apresentou aos comerciantes e moradores, esta plataforma única terá pavimento em betuminoso colorido para os peões (num total de 3 metros), uma ciclovia em pavimento betuminoso de uma outra cor com 1,5 metros de largura no sentido UM – Centro, estacionamento no lado direito no sentido Centro – UM e o restante espaço para circulação de veículos.

Fazendo contas, teremos sinalização horizontal que faz corresponder a 4,5 metros do perfil da via para modos ativos, 2,5 metros para estacionamento automóvel e… 4 metros e 26,9 centímetros de faixa de rodagem para os dois sentidos de circulação de automóveis, autocarros e bicicletas (não está prevista ciclovia no sentido Centro-UM, pelo que a circulação de bicicletas deverá realizar-se em coexistência com o tráfego motorizado, à semelhança do que acontece nas ruas D. Pedro V e de S.Vítor).

Alguém da plateia questionou qual seria o milagre para que tudo coubesse ali, uma vez que o Município pretende ainda que os transportes públicos continuem a circular em ambos os sentidos. Os técnicos responderam que tudo cabia, mas sem demonstrarem como. Disseram que se pretende que, ao circularem nesta via sem balizamento, os veículos possam circular em cima da zona destinada à ciclovia ou mesmo ao passeio. Uma verdadeira armadilha para peões e ciclistas!

Ao alargar o perfil da faixa de rodagem, sem introduzir elementos físicos que funcionem como barreiras ao aumento de velocidade e à realização de manobras de ultrapassagem perigosas, a tendência será para haver um aumento da insegurança para os utilizadores vulneráveis. Uma ciclovia sem delimitadores físicos é uma má solução, na medida em que será frequentemente ocupada por estacionamento ilegal ou, pior ainda, por veículos motorizados em circulação. Não servirá portanto o propósito de proteger quem se desloca de bicicleta, mas sim como mera forma de legitimar a prática de ultrapassagens ilegais e perigosas aos ciclistas, sem garantir que os veículos motorizados acautelem a distância lateral de segurança de 1,5m, imposta pelo Código da Estrada. Uma ciclovia que não cumpra a função essencial de proteger os ciclistas é uma ciclovia perigosa, uma armadilha que atrai ciclistas para um local que é mais perigoso que o resto da faixa de rodagem.

Partindo do princípio, defendido aliás pela CMB, de que é preciso dar prioridade aos peões, às bicicletas e aos transportes públicos, não deveria ser retirado o estacionamento automóvel e implementada uma via BUS+Bicicleta (3 metros) no sentido UM-Centro, mais uma via Banalizada (3 metros) no outro sentido, ficando o restante espaço (3,8 metros) reservado para os peões? Isso sim, seria dar prioridade aos peões (passeios mais largos), às bicicletas (via reservada no sentido UM-Centro e acalmia de trânsito) e aos transportes públicos (mais espaço de circulação para maior fluidez e via reservada no sentido UM-Centro).

Assim sendo, aquilo que nos parece é que vamos ter uma solução “bonita”, uma vez que tudo estará ao mesmo nível, mas que não será nada funcional. Prefere-se, portanto, a mera beleza à funcionalidade e segurança da rua. Pelo menos segundo a explicação pública fornecida, são estas as conclusões que tiramos.

Infelizmente, o que é certo é que o carro continua a ocupar todo o espaço que puder, e por isso teremos uma rua de nível cheia de automóveis estacionados, sem controlo. Sabemos que não será mais policiamento que virá resolver esse problema, porque não é possível ter um polícia por rua durante 24 horas e basta um minuto de estacionamento ilegal para estragar a funcionalidade da rua. E sabemos também, de experiências anteriores na nossa cidade, que não basta contar com o civismo e bom-senso dos condutores.

Numa cidade com mais de 20 000 lugares de estacionamento automóvel de superfície (dos quais apenas 1 000 são pagos), e em que a visão política dos seus dirigentes autárquicos reconhece a necessidade de reversão do uso do automóvel e incentivo aos modos ativos e ao transporte público, porque ainda se dá prioridade à criação de estacionamento automóvel, colocando em causa a circulação fluída e segura dos peões e dos ciclistas e até dos transportes públicos? Queremos uma Rua Nova de Santa Cruz renovada, sim, mas uma rua que funcione para todos e seja realmente segura para as pessoas que andam a pé, de bicicleta e de transportes públicos.

Todas estas preocupações foram expostas ao Vereador Miguel Bandeira na passada segunda-feira, dia 16 de janeiro de 2017, que assegurou à Braga Ciclável que ainda seria possível ajustar o projeto. 

Via Ciclável entre Universidade do Minho e Centro Histórico ficará pronta em Maio

Via Ciclável entre Universidade do Minho e Centro Histórico ficará pronta em Maio


No passado dia 28 de Abril de 2016, pelas 21h30, decorreu, no auditório da Junta de S. Vítor, a 11ª sessão ordinária da Assembleia de Freguesia de S. Vítor. No período de intervenção do público, um dos cidadãos pediu a palavra e questionou o Presidente da Junta de S. Victor, Dr. Ricardo Silva, sobre quando iniciariam as obras na Rua D.Pedro V e Nova de Santa Cruz. O Presidente da Junta de S.Victor respondeu que a última informação dada pelo pelouro do Dr. Firmino Marques é que as obras arrancariam já durante o mês de maio e que a via ciclável anunciada em setembro de 2015, que ligará o Campus de Gualtar ao centro histórico através destas duas ruas, ficará finalmente pronta também neste mês de maio.

De lembrar que a Braga Ciclável vem defendendo já desde 2012, aquando do lançamento da Proposta para uma Mobilidade Sustentável, a criação de uma ligação ciclável entre a Universidade do Minho e o Centro Histórico. Na última reunião entre a Braga Ciclável e o Município, realizada em finais do ano passado, fomos convidados a darmos o nosso contributo para que seja implementada a melhor solução, de forma a tornar mais segura a circulação de todos os utilizadores deste trajeto. Esperamos que finalmente todas as ideias se concretizem, dado que esta ligação é uma das mais procuradas pelos bracarenses nas suas deslocações diárias em bicicleta.

_MG_4527

Em 2013/2014, foi também entregue à Câmara Municipal de Braga uma petição pela reorganização do trânsito nas Ruas Nova de Santa Cruz e D. Pedro V com três propostas hierarquizadas. Esta petição contemplava 500 assinaturas de utilizadores dos TUB, estudantes universitários, moradores e comerciantes daquelas ruas. O documento reivindicava a proibição do estacionamento existente nestas ruas, com criação de estacionamento alternativo reservado a moradores, o que permitiria o alargamento da faixa de rodagem em cada um dos sentidos. Era solicitado também o estabelecimento do sentido Este-Oeste (Universidade–Centro) como reservado a autocarros e bicicletas (via partilhada) e do sentido Oeste–Este (Centro–Universidade) como via partilhada por carros, bicicletas e autocarros, recomendando para estas ruas um limite máximo de velocidade de 30km/h, com vista a assegurar uma maior segurança para todos os utentes da via.

Esta semana, alguns moradores entregaram uma nova petição na CMB, sugerindo a retirada dos autocarros dos TUB desta rua e dando preferência ao estacionamento automóvel em detrimento da criação de vias cicláveis. A este propósito, a Braga Ciclável lembra que a criação de uma via ciclável não implica inexistência de estacionamento. Uma zona de coexistência entre os diversos modos de transporte, solução que sempre defendemos para essa rua, é efetivamente uma via ciclável. No entanto, e dada a configuração da rua em questão, parece-nos necessário que a mesma seja reorganizada. A tão procurada fluidez de trânsito, que é tão importante para os automobilistas como para os milhares de utilizadores dos TUB, pode muito facilmente ser alcançada passando o estacionamento para os parques de estacionamento e paras ruas da proximidade, como é o caso da Rua do Taxa ou das ruas junto à Fundação Calouste Gulbenkian. São centenas de lugares de estacionamento, localizados a poucos metros de distância, e que permitem acolher sem grandes dificuldades os cerca de 50 automóveis que atualmente estacionam de forma ilegal na Rua D. Pedro V, condicionando o trânsito nessa rua.

estacionamentoDPedroVatual

Rua do Taxa até ao cruzamento com a Rua Dr. Manuel Monteiro (270 m)
Com estacionamento Atual ≈ 54 lugares
Com estacionamento a 90º ≈ 108 lugares

Rua Prof Dr. Elísio de Moura até ao cruzamento com a Rua Dr. Manuel Monteiro (175 m)
Com estacionamento Atual ≈ 35 lugares
Com estacionamento a 90º ≈ 70 lugares

Rua Bernardo Sequeira – até ao cruzamento da Rua Fundação Calouste Gulbenkian (115 m)
Com estacionamento Atual ≈ 23 lugares
Com estacionamento a 90º ≈ 46 lugares

Rua Fundação Calouste Gulbenkian – atualmente 38 lugares
Rua do Conservatório – atualmente 19 lugares
Rua Padre Manuel Alaio – atualmente 9 + 80 + 72 = 161 lugares
Rua Orfeão de Braga – 26 + 22 + 20 = 68 lugares

Total de lugares atual nas ruas adjacentes: 398 lugares
Total de lugares com alteração nas ruas do Taxa, Dr. Elísio de Moura e Bernardo Sequeira: 510 lugares
Aumento de 112 lugares.

Atualmente na D.Pedro V estacionam, ilegalmente, entre 55 a 70 automóveis. Os 112 lugares que seriam criados com a alteração do estacionamento nas Ruas Bernardo Sequeira, do Taxa e Dr. Elísio de Moura, passando estas duas a sentido único, permitiria garantir mais lugares do que os necessários para os veículos que estacionam na D.Pedro V, sendo que não distariam mais do que 200 metros da atual localização.

estacionamentoDPedroVproposto

Não menos importante, consideramos ainda que a regeneração desta rua deverá ter em conta também a necessidade de alargar os passeios, que atualmente não oferecem condições mínimas de segurança a quem ali circula a pé.

A Braga Ciclável defende que é importante acolher a participação de todas as partes interessadas: dos TUB (que transportam nessa rua cerca de 9000 passageiros por dia), dos ciclistas (centenas de pessoas que todos os dias usam essa rua como principal ligação entre o centro e a zona Este), bem como dos moradores e comerciantes (cujos automóveis costumam ocupar cerca de 50 lugares de estacionamento). Importa portanto agir de forma célere, sem prejuízo para nenhuma das partes, e encontrar a melhor solução para todos, ainda que a mesma possa ser provisória.

Participem neste questionário sobre mobilidade

Participem neste questionário sobre mobilidade


No âmbito da “Braga Capital Ibero-Americana da Juventude”, a Câmara Municipal de Braga abriu portas à entrega de propostas por parte de dirigentes associativos para várias vertentes de intervenção na sociedade. Os estudantes de Biologia Aplicada, através do seu Núcleo de Estudantes (NEBAUM), tencionam propor algumas medidas de atuação na vertente da sustentabilidade e ambiente, entre as quais se destacam a criação de novas ciclovias na cidade e a requalificação das já existentes, bem como o melhoramento da rede de transportes públicos.

Para sustentarem as suas propostas, decidiram criar um questionário sobre a preferência por meios de transporte sustentáveis, disponível para todos responderem nesta página.

Participem, por favor!