Manifestação Nacional – Basta de Atropelamentos

Manifestação Nacional – Basta de Atropelamentos


Em consequência de mais uma morte de uma jovem vítima de atropelamento, a FPCUB – Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta convida a uma manifestação pacífica a nível nacional amanhã, dia 16 de julho de 2020, às 19:00, para que se pense qual o caminho a seguir, para que se escolha um futuro mais promissor, onde as pessoas possam usufruir do espaço público sem medo, e onde as crianças possam brincar na rua com mais segurança.
A presença de todos é fundamental para mostrar que a sociedade civil está atenta e preocupada com este flagelo, mostrando que se pretende respostas e soluções que salvem vidas e evitem vítimas nas ruas e avenidas das nossas cidades.

Juntos podemos fazer diferença e vamos mudar consciências!!

Em Braga a associação Braga Ciclável apoiam esta iniciativa convidando a comunidade para que marque presença.

Apelamos para que se desloquem de bicicleta ou a pé, que mantenham as devidas distâncias físicas e uso de máscara.

Aveiro: A aguardar confirmação
Braga: Praça da República, junto ao Chafariz da Av. Central
Évora: Praça do Giraldo
Faro: A aguardar confirmação
Guarda: Jardim dos Castelos Velhos
Lisboa: Campo Grande junto à Biblioteca Nacional
Mértola: Largo Vasco da Gama
Porto: junto à Casa da Música
Santarém: Largo do Seminário

Os reis na barriga

Os reis na barriga


Houve tempos em que os donos das cidades eram os nobres e os reis e, nesse tempo, quando eles passavam nas ruas, nas suas carruagens ou nos seus cavalos, toda a gente se desviava, cedendo passagem aos senhores, em vénias e adoração e medo. Um vulgar cidadão não se atrevia atravessar no caminho de um dos senhores – era punido por lei e a pena era, por vezes, de morte, tal era a afronta.

Estou a falar de há muito tempo, tempos em que não havia código da estrada e em que ninguém garantia o direito de todos os indivíduos por igual.

Estranhamente, embora os tempos tenham mudado e as leis tenham acabado com os benefícios de classes, no que toca à estrada, ainda há gente que se sinta com o rei na barriga e com o direito à vénia e ao medo. (mais…)

Agarramos ou perdemos esta oportunidade?

Agarramos ou perdemos esta oportunidade?


A bicicleta é o modo de transporte mais eficiente para as deslocações curtas, até cerca de 5 km. Optar pela bicicleta permite-nos chegar ao nosso destino mais cedo, numa deslocação porta-a-porta, sem perder tempo a procurar estacionamento.

Todos os dias, no Concelho de Braga, realizam-se cerca de 333 mil viagens. Destas, mais de 262 mil (ou seja, quase 80%) são viagens efetuadas apenas dentro do próprio concelho. Estas viagens podem ser feitas em diversos modos de transporte (a pé, de bicicleta, de transporte público, de mota, de carro). Curiosamente, aquilo que nos mostram os estudos sobre Braga é que as distâncias percorridas de carro, nestas deslocações internas ao concelho, são em média de 3 km. Podemos concluir que em Braga se anda muito de carro, mas sobretudo em deslocações curtas, que poderiam muitas vezes ser realizadas com recurso a outros modos de transporte mais eficientes. O desenho da rede viária leva a que as pessoas estejam acomodadas ao carro.

(mais…)

Circular a 30km/h!?

Circular a 30km/h!?


Anuncia-se em Braga um projeto de mobilidade urbana a aplicar na rodovia e que reduzirá a velocidade permitida. Ao mesmo tempo, foi noticiado que o Governo pondera reduzir a velocidade máxima nas cidades para 30km/h. À primeira vista, reduzir a velocidade dos automóveis parece um atraso de vida.

Há, porém, razões muito sérias para esta alteração. Desde logo, uma que é infelizmente tão cara a Braga: limitar a velocidade a 30km/h não só reduz o número de atropelamentos, como quase que elimina a hipótese destes causarem mortes ou feridos graves (e houve mais um atropelamento esta semana). Além disso, quando os veículos circulam devagar, torna-se possível a convivência com os demais utilizadores, em particular com os peões e as bicicletas. Não esquecendo que também contribui para a redução da poluição que em Braga é já um problema demasiado palpável.

(mais…)

Pedalar por Braga

Pedalar por Braga


Sou um recente ciclista urbano. Uso a bicicleta para deslocações na cidade de Braga: para me deslocar para o trabalho, para fazer compras e para passear no fim-de-semana. Descobri que a bicicleta me permite sentir e viver a cidade de uma forma mais humana: não poluo, não ocupo espaço desnecessário, economizo dinheiro e na maioria das vezes também tempo. Revela-se, por isso, bastante óbvio para mim que Braga, na sua área plana, desde São Pedro de Este até Ferreiros, é ciclável.

No entanto, fui-me deparando com algumas dificuldades. Concretamente, os problemas de segurança que a ciclovia da Variante da Encosta apresenta são inaceitáveis. O executivo camarário não poderá alegar falta de informação se uma situação negativa acontecer no futuro. Estes problemas serão resolvidos se o primeiro parágrafo do capítulo ‘Mobilidade’ do programa eleitoral do executivo eleito se tornar uma medida cumprida.

Braga é exemplo de uma cidade que cresceu com base num modelo centralizado no automóvel. Comprova-se contando as estradas, muitas delas vias rápidas, e os parques de estacionamento subterrâneos. As consequências no centro da cidade foram e continuam a ser as vias congestionadas, os índices de poluição do ar (índices de poluição que tornam os bracarenses pessoas menos saudáveis), poluição sonora elevada e aumento da sinistralidade. Fatores que contribuíram para tornar o centro da cidade desagradável para habitação. Corrobora-se esta afirmação contando o número de habitações construídas nos subúrbios enquanto o centro ficou desabitado e degradado durante muitos anos.

No meu entendimento, a bicicleta deverá ser um objeto de análise e estratégia política pelos seus efeitos benéficos na vida das cidades. A adoção de uma estratégia de mobilidade que permita que uma grande parte da população bracarense se desloque de bicicleta apresenta consequências muito positivas na saúde, no ambiente, na economia e no urbanismo.

Considero que em Braga há uma vontade na opinião pública no sentido de tornar a cidade menos centrada no automóvel e mais nas pessoas.

Julgo ser este o momento de tomar medidas, com intenções claras de afirmar o uso da bicicleta em Braga, em detrimento da realização de obras que demonstram falta de coragem e estratégia. É necessário desenvolver uma estratégia séria e global para a cidade. As vias de Braga estão à disposição do executivo para que possam, na primeira pessoa, entender o que significa ser ciclista urbano na cidade que os escolheu. Facilmente se tornará percetível de que é possível tornar Braga definitivamente ciclável, abraçando todos os benefícios que isso implica.

Motivar o uso da bicicleta em Braga é sobretudo estar preocupado com as pessoas que vivem na cidade. É um ato individual com imensa consciência coletiva.