Braga Ciclável apela ao uso da bicicleta nas deslocações essenciais

Braga Ciclável apela ao uso da bicicleta nas deslocações essenciais


Associação apela ainda ao Município que reduza o número de vias destinadas ao automóvel, em tempo quarentena, para garantir a segurança rodoviária.

Com o país em estado de emergência e muitas pessoas em quarentena voluntária, a Associação Braga Ciclável deixou duas sugestões à Câmara Municipal: reduzir o número de vias dedicadas aos automóveis e sensibilizar os bracarenses para usarem a bicicleta nas deslocações essenciais.

As deslocações de bicicleta, explicou à RUM o presidente da Braga Ciclável, “permitem o necessário distanciamento social e evitam o contacto com superfícies tocadas por outras pessoas, como acontece nos transportes públicos”.

Segundo Mário Meireles, perante o actual cenário há “pouco trânsito, mas as velocidades aumentam, e não há necessidade de tanta disponibilidade para o trânsito automóvel”. Por isso mesmo, e por forma a “aumentar a segurança rodoviária, a associação sugere também “reduções temporárias do número de vias na Avenida da Liberdade, Avenida 31 de Janeiro, Avenida Imaculada Conceição, Avenida João XXI, Avenida João Paulo II, Av. Robert Smith e Av. Dr. António Palha”.

A Câmara Municipal barrou, esta semana, o acesso à ecovia. Segundo Mário Meireles, as pessoas que usavam essa via para se deslocarem de bicicleta para o trabalho “entenderam” a decisão do município, mas reclamam falta de segurança nas estradas.

“Tivemos feedback de algumas pessoas que, depois de fechado o acesso, tiveram que começar a utilizar a rodovia ou pela estrada ou pelo passeio, porque não se sentem em segurança a usar a estrada, tendo que se deslocar por vias mais perigosas”, explicou.

Segundo a associação, “a ECF – European Cycling Federation considera que o uso da bicicleta, convencional ou com assistência elétrica, deve ser encorajado pelos Estados Membros da União Europeia, também durante a disseminação desenfreada do COVID-19. Isto porque, ao usarem a bicicleta, as pessoas desde logo mantêm as distâncias necessárias para evitar a infeção e, ao mesmo tempo, têm probabilidade muito menor de tocarem em objetos contaminados no espaço público ou em transportes públicos”.

“A atividade física regular, como por exemplo andar de bicicleta, ajuda a manter o sistema cardiovascular e os pulmões saudáveis, prevenindo doenças e protegendo o corpo de infeções. Portanto, é importante que as pessoas pedalam durante a crise”, afirmam ainda.

@RUM – Rádio Universitária do Minho, 26 de Março de 2020

Rádio Universitária do Minho entrevistou Mário Meireles (inclui áudio)

Rádio Universitária do Minho entrevistou Mário Meireles (inclui áudio)


A Associação Braga Ciclável foi convidada a participar esta terça-feira, dia 13 de março, no Campus Verbal, o programa de grande entrevista da Rádio Universitária do Minho (RUM), conduzido pela jornalista Elsa Moura. A Braga Ciclável esteve representada pelo seu presidente, Mário Meireles, que durante cerca de 40 minutos falou sobre o trabalho desta associação e sobre o uso da bicicleta na cidade de Braga.

Se não acompanhou em direto esta entrevista, pode ainda ouvi-la a qualquer momento em versão podcast, no episódio do dia 13 de março de 2017, disponível no site da RUM – Rádio Universitária do Minho ou, em alternativa, na soundcloud da Braga Ciclável.

Mais dois ciclistas urbanos de Braga entrevistados na Antena 1


Passou um pouco despercebido, mas vale sempre a pena assinalar e escutar o testemunho de mais dois ciclistas urbanos de Braga que foram há algum tempo atrás entrevistados pela Antena 1, no programa do José Candeias.

Depois do Antony Gonçalves (dos Encontros com Pedal), do Victor Domingos (este vosso amigo), do Carlos Ferreira e do Aníbal Fernandes, o José Candeias entrevistou mais dois ciclistas urbanos de Braga. Foram eles a Helena Gomes, que para além de se deslocar de bicicleta na cidade de Braga é também a empresária responsável pelo muito acolhedor Braga POP Hostel, e o Paulo Oliveira, que já aqui haviam sido apresentados anteriormente.

A entrevista foi realizadas em direto, como habitualmente, e tem estado disponível no podcast “HÀ Conversa”, onde é possível encontrar diversos testemunhos bem interessantes de outros utilizadores habituais da bicicleta, e não só. Pode ser ouvida aqui: