Veículos para a igualdade

Veículos para a igualdade


Não será novidade para nenhum bracarense as despesas que ter um carro implica. Os preços dos combustíveis têm subido constantemente em 2018, com a gasolina 95 a custar 1,60€ por litro e o gasóleo 1.39€. Se recuarmos a 2000, o preço da gasolina não chegava a custar 1€, o gasóleo custava menos de metade. Soma-se ainda o IUC, o seguro obrigatório, a manutenção e o custo inicial da compra, muitas vezes a crédito. Nos primeiros quatro meses do ano, os bancos e as empresas financeiras disponibilizaram 972 milhões de euros em empréstimos para a compra de carro. Somando todas estas variáveis, que todos os anos aumentam, chegamos a uma despesa brutal. Convém lembrar que o salário médio em Portugal não sobe praticamente desde 2010, levando a menos orçamento alocado para despesas essenciais como uma boa alimentação, cuidados de saúde e educação.

A mobilidade é uma necessidade tão básica como a habitação ou os cuidados médicos. (mais…)

Deus das pequenas obras

Deus das pequenas obras


Braga é a terceira maior cidade do país e é também a terceira mais poluída. Nas últimas décadas, os investimentos avultados em túneis, viadutos, parques de estacionamento e rodovias, impuseram à cidade a ditadura do carro, sobrando quase nada para a promoção de uma mobilidade mais ecológica. Hoje, os investimentos para as questões de mobilidade têm-se tornado mais verdes e, em Braga, há, neste momento, projectos aprovados a rondar os 4,5 milhões de euros de investimento apenas para vias cicláveis. Escrevo isto com um grande sorriso na cara, mas lembro-me ao mesmo tempo de uma história que o meu pai contava sobre a construção de uma ponte no interior do Alentejo nos anos 40 em que o trabalhador perguntava porque se gastavam aqueles milhões se ali não havia rio e o político respondia “construa-se a ponte que o rio logo aparece”. (mais…)