Vontade

Vontade


Verde, sustentável, ecológico, biológico, orgânico, eco-friendly,… um conjunto de adjetivos cada vez mais presentes no nosso vocabulário e que, frequentemente associados a substantivos, parecem tornar a nossa vida melhor… cidade verde, mobilidade sustentável, transporte ecológico, produto biológico, alimento orgânico, consumo eco-friendly.

Mas o que é que estas palavras, que andam agora nas bocas do Mundo, trouxeram efetivamente de novo? Consumos mais conscientes? Deslocações mais ambientalmente responsáveis? Para uma muito pequena percentagem da população, sim. Para outra muito grande percentagem da população, nem por isso. O “verde” tornou-se moda e, não raras vezes, um “verde” que se fica apenas pelas aparências.

E as cidades são uma das vítimas destas (apenas) tendências. Cidades cujos responsáveis pelo seu planeamento estratégico se dizem empenhados no desenvolvimento de planos de mobilidade sustentável que muitas das vezes não passam do papel ou, quando postos em prática, se revelam ineficazes e, portanto, pouco úteis à função para a qual foram concebidos e executados. Redes inter-modais de transportes cujas partes se encontram desarticuladas entre si, ciclovias mal executadas que apresentam riscos para os seus utilizadores, bicicletários com dimensão e implantação disfuncionais, manutenção da prioridade dada ao automóvel, iluminação do espaço público insuficiente, são alguns dos problemas que persistem, apesar da imagem cumpridora que divulgam.

Mas quero acreditar que não o fazem propositadamente com o objetivo de defraudar o cidadão. Quero acreditar que se trata de desinformação e essa, apesar dos fundos e esforços investidos no que já está feito, pode muito bem ser gradualmente corrigida.

A desinformação exigirá vontade dos técnicos e autoridades responsáveis em procurar a informação correta onde ela existe, exigirá vontade em estudar exemplos bem sucedidos um pouco por todo o Mundo e aproveitar aquilo que pode ser aplicado ao nosso contexto, exigirá vontade de sair das suas secretárias e ir ao terreno para perceber como as pessoas vivem a rua e fazem uso do espaço que é delas e que deve ser construído com elas e para elas. É preciso vontade.

IV Braga Cycle Chic – Duas centenas de ciclistas visitaram comércio de Braga

IV Braga Cycle Chic – Duas centenas de ciclistas visitaram comércio de Braga


A Associação Braga Ciclável realizou este sábado quarta edição do Braga Cycle Chic, um evento que mobilizou cerca de 200 ciclistas a pedalar pela cidade de Braga e demonstrou mais uma vez que é possível pedalar na cidade de forma descomplicada usando a roupa do dia-a-dia.

Para além de mostrar que é possível pedalar na cidade de Braga com roupa casual, um dos objetivos do Braga Cycle Chic tem sido também promover o comércio local. Assim, ao longo do percurso, e em parceria com a Associação Comercial de Braga, o grupo foi parando para conhecer alguns estabelecimentos que receberam os ciclistas com alguns petiscos e refrescos.

Aspeto de um dos momentos do IV Braga Cycle Chic

De acordo com Mário Meireles, presidente da Associação Braga Ciclável, “pelo número de participantes que temos tido podemos afirmar que o evento está consolidado e tem crescido todos os anos”. Refere ainda que a organização tem procurado selecionar percursos e parceiros onde parar diferentes em cada ano, por forma a dar a conhecer novos locais e assim dinamizar o comércio. “Este ano tivemos um percurso maior, dando assim resposta ao feedback dos participantes do ano anterior”, explica. “Temos cada vez mais participantes a trazerem bicicleta própria, o que demonstra que o evento tem atingido um dos seus objetivos: levar mais pessoas a usar a bicicleta como meio de transporte”.

Mário Meireles destaca ainda como positivo o facto de que o comércio onde o Braga Cycle Chic tem parado “tem dado feedback de que tem aumentado a procura após o passeio”. No entanto, todos os estabelecimentos apontam que há falta de estacionamentos para bicicletas para os seus clientes. E conclui que os objetivos do passeio estão alcançados: “é hoje consensual que Braga tem todas as condições naturais para o uso da bicicleta como meio de transporte, é tempo agora de investir na transformação da infraestrutura por forma a criar condições para a mobilidade em bicicleta”.

Esta edição do Braga Cycle Chic teve como parceira a Escola de Educação Rodoviária de Braga, que promoveu durante a manhã um debate intitulado “Segurança Rodoviária como um Desafio Municipal”. Outro contributo essencial na edição deste ano, segundo a organização, foi o da ciclopatrulha da PSP, que ajudou a orientar o trânsito durante a passagem do grupo de ciclistas. Estes dois eventos assinalaram assim o Dia Mundial do Trânsito e da Cortesia ao Volante.

Mais estacionamentos para bicicletas no centro – vote no Orçamento Participativo de São Victor

Mais estacionamentos para bicicletas no centro – vote no Orçamento Participativo de São Victor


O orçamento participativo da Freguesia de São Victor está em fase de votações até esta sexta-feira, dia 28 de julho. Uma das propostas mais interessantes consiste na instalação de bicicletários em vários pontos importantes da freguesia, num total de 83 infraestruturas a serem distribuídas por 16 novas localizações.

A proposta em questão, submetida pelo residente Victor Domingos, é uma das 9 que se encontram em votação. Cada projeto a concurso não pode ultrapassar o valor máximo disponibilizado no OP (2500€). Caso o projeto vencedor não esgote o valor total, o montante restante poderá permitir o apoio a um segundo projeto.

A proposta refere que a freguesia de São Victor possui 7478 lugares de estacionamento na rua para automóveis (dos quais apenas cerca de uma centena são pagos). A esses acrescem ainda os lugares em parques públicos e os lugares que cada prédio disponibiliza nas caves para os seus moradores.

Numa época em que a visão é a de descarbonizar, diminuir o número de automóveis a circular na cidade e aumentar a taxa modal da circulação de bicicletas na cidade até atingir os 10% em 2025 importa começar hoje a criar infraestruturas que respondam a este objetivo.

Assim, propõe-se que até 2025 sejam criados pelo menos 750 novos lugares de estacionamentos para bicicletas (375 infraestruturas). Uma vez que o custo de cada infraestrutura é de cerca de 30€ (Construída e instalada pelo município) propõe-se a instalação, até ao final do presente ano, de pelo menos 83 infraestruturas em U invertido, perfazendo um total de 2490€, estando as mesmas distribuídas da seguinte maneira:

  • 10 à porta do Braga Parque;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento em frente à junta de freguesia de São Victor (do lado da Igreja da Senhora a Branca);
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento em frente à entrada da AAUM (junto à Garagem Amorim);
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta da escola Francisco Sanches;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta da escola Carlos Amarante;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta das Piscinas Municipais;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta do Conservatório de Música Caloust Gulbenkian;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta do INL;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta da Igreja de São Victor;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta da Igreja de São Victor O Velho;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta do Colégio Teresiano;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta da Pousada da Juventude;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta da Escola Básica de São Victor;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta do Espaço 12;
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento à porta da AFBraga;
  • 3 à porta do Tribunal Judicial de Braga.
Mapa dos bicicletários disponíveis na Freguesia de São Victor após instalação dos previstos no projeto

Pode votar presencialmente na junta de freguesia ou, em alternativa, poderá votar online no site Minha Freguesia. Também dá para descarregar uma aplicação móvel que permite votar, sendo provavelmente a opção mais prática:

Para votar tem que ser residente em São Victor, e fazer login no site/aplicação com o seu número de Cartão de Cidadão e a sua data de nascimento.

Depois, deverá clicar em Inquéritos.

Selecionar a proposta nº 4.

Deslocar a página e, mais em baixo, clicar em Apoiar.

No final, receberá um aviso que indica que o seu voto foi registado.

Estacionamentos para Bicicletas venceram Orçamento Participativo em S. Lázaro/S.João do Souto

Estacionamentos para Bicicletas venceram Orçamento Participativo em S. Lázaro/S.João do Souto


A proposta referente à instalação de bicicletários venceu o orçamento participativo da União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto), cuja votação decorreu no mês de junho. A proposta vencedora na área do Espaço Público prevê a instalação de 32 novos suportes de estacionamento para bicicletas, a serem distribuídos por 7 localizações.

Esta proposta, submetida pelo residente Mário Meireles, foi a única apresentada para a área do Espaço Público, sendo que só por isso já seria uma das vencedoras (de acordo com o regulamento, seria atribuído orçamento a uma proposta de cada uma das 4 áreas temáticas). Ainda assim, esta proposta foi aquela que arrecadou maior número de votos.

A proposta vencedora refere que a união de freguesias de São João do Souto e São Lázaro possui 3355 lugares de estacionamento na rua para automóveis (dos quais apenas 363 são pagos). A estes acrescem ainda os lugares em parques públicos e os lugares que cada prédio disponibiliza nas caves para os seus moradores.

Numa época em que a visão é a de descarbonizar, diminuir o número de automóveis a circular na cidade e aumentar a taxa modal da circulacão de bicicletas na cidade até atingir os 10% em 2025 importa começar hoje a criar infraestruturas que respondam a este objetivo. Assim propõe-se que até 2025 sejam criados pelo menos 336 lugares de estacionamentos para bicicletas (168 infraestruturas) na freguesia.

Tipo de infraestrutura proposto para instalação

Uma vez que o custo de cada infraestrutura é de cerca de 30€ (Construída e instalada pelo município) propõe-se a instalação, até ao final do presente ano, de pelo menos 32 infraestruturas em U invertido, estando as mesmas distribuídas da seguinte maneira:

  • 2 em frente ao Liberty Street Fashion (entrada Av. da liberdade)
  • 5 junto ao Tomi do Posto de Turismo
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento em frente aos CTT na Rua do Raio
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento a porta da escola D.Maria II
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento a porta da escola Andre Soares
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento a porta da escola Alberto Sampaio
  • 5 a substituir um lugar de estacionamento a porta da USF Bracara Augusta (Praça General Humberto Delgado)

Até ao 31 de dezembro de 2017 o projeto terá que ser executado, segundo o regulamento do Orçamento Participativo da União de Freguesias de Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto).

Mapa dos bicicletários disponíveis na União de Freguesia de São José de São Lázaro e São João do Souto após instalação dos previstos no projeto vencedor.

E se o parque de estacionamento da Câmara deixasse de fazer falta?

E se o parque de estacionamento da Câmara deixasse de fazer falta?


Há dias um vereador anunciou a disponibilização para teste de uma bicicleta elétrica aos trabalhadores municipais. A iniciativa é muito interessante mas com a configuração atual é muito pouco eficaz. Basta fazermos as contas: se o empréstimo a cada trabalhador for pelo período de uma semana, sabendo que há mais de 2500 trabalhadores, demoraremos 5 décadas a contemplar todos!

É pena que mais uma medida de promoção do uso da bicicleta seja implementada de forma tão tímida. Faz infelizmente lembrar a disponibilização de estacionamentos temporários pelo centro da cidade através da colocação de vedações amovíveis. Tinha um bom propósito mas, além de inconsequente, foi mal executada ao ponto de a descredibilizar.

Numa cidade atulhada de veículos poluentes e com décadas de atraso nas políticas de mobilidade, numa altura em que começamos a sofrer seriamente os efeitos das alterações climáticas, são necessárias medidas mais energéticas, consistentes e em crescendo. O que está em causa, não tenhamos dúvidas, é a qualidade de vida que vamos deixar aos nossos filhos e aos deles. Não se trata de eliminar os carros, mas de reduzir o seu uso ao francamente indispensável.

As bicicletas elétricas são uma extraordinária oportunidade de reduzirmos a poluição sem grande esforço. Quem nunca utilizou uma, recomendo que experimente. De imediato vai perceber as inúmeras vantagens de combinar a versatilidade da bicicleta com um pequeno motor na roda que reduz substancialmente o esforço a pedalar. E, até distâncias de 5Km, qualquer bicicleta é o transporte que nos leva mais rápido de um ponto a outro.

Mas disponibilizar bicicleta(s), por si só, não vai resolver o problema. É preciso implementar diversas outras medidas simultâneas, seja promovendo o uso da bicicleta, seja dando incentivos claros aos trabalhadores que a utilizem, penalizando os que optam sem razão pelo carro. Ao mesmo tempo, os políticos têm de ser os primeiros dar o exemplo. Muitos dos atuais eleitos, assessores e gestores municipais vivem a menos de 5Km. Têm todas as condições para se deslocarem de bicicleta para o trabalho. Nem que para já fosse apenas às sextas-feiras, como se faz noutras cidades.

Assim, a meta da Câmara poderia ser a de reduzir todos os seus parques de estacionamento para metade, eliminando um lugar por cada trabalhador que passe a deslocar-se de bicicleta.


(Artigo originalmente publicado na edição de 24/06/2017 do Diário do Minho)

Braga Ciclável reuniu com Bloco de Esquerda

Braga Ciclável reuniu com Bloco de Esquerda


A Associação Braga Ciclável reuniu esta esta 4ª feira, dia 24 de maio, com a candidata do Bloco de Esquerda às próximas eleições autárquicas, Paula Nogueira, para apresentação de uma proposta relacionada com a mobilidade urbana sustentável para Braga. Trata-se da primeira de uma série de reuniões que a Braga Ciclável pretende realizar, com cada uma das forças políticas que concorrem este ano para a eleição do próximo executivo municipal.

A associação esteve representada por Mário Meireles e Victor Domingos (membros da Direção), e Antony Gonçalves (membro do Conselho Fiscal), que entregaram pessoalmente à candidata Paula Nogueira e à sua equipa um breve dossiê com algumas medidas de promoção da utilização da bicicleta e de melhoria da segurança para todos os utentes da via pública. Os utilizadores da bicicleta esperam assim que estas e outras medidas venham a ser incluídas no programa eleitoral deste ano.

Braga Ciclável reune com Paula Nogueira, candidata do Bloco de Esquerda

As medidas propostas são diversas e vão desde a implementação dos 80 km de rede ciclável, já anteriormente prometidos pela CMB, até à colocação de bicicletários, a sobreelevação de todas as passadeiras para proteção dos peões, a criação de um sistema de bicicletas partilhadas, o aumento da frota de bicicletas das forças policiais da cidade, a implementação de programas municipais de incentivo do uso da bicicleta, entre outras.

Uma vez que o dossiê não havia sido entregue previamente, esperamos ainda receber uma resposta oficial da candidatura do Bloco de Esquerda após a sua análise da proposta agora apresentada.

Entretanto, estão ainda a ser agendadas as reuniões com os candidatos das coligações CDU e PSD/CDS/PPM, bem como do PS.