Braga Ciclável reuniu com candidatos a deputados do BE

Braga Ciclável reuniu com candidatos a deputados do BE


Na passada quarta-feira, dia 17 de Setembro de 2019, a associação Braga ciclável reuniu com os candidatos do Bloco de Esquerda(BE) pelo círculo eleitoral de Braga nas eleições legislativas de 6 de Outubro de 2019. O BE fez-se representar por Alexandra Vieira, Carlos Machado, Fernando Bessa e Manuela Airosa. Do lado da Braga Ciclável estiveram presentes Rafael Remondes e Victor Domingos.

A reunião começou com a apresentação dos candidatos do BE e com uma breve introdução da agenda do partido sobre a área ambiental.

Victor Domingos passou então a fazer uma breve explicação sobre as história da associação, desde os tempos em que era apenas o blog em nome pessoal até se tornar um movimento/associação cívica para promover e consciencializar para o uso da bicicleta na cidade e concelho de Braga.

Alexandra Vieira questionou depois a associação sobre as propostas apresentadas ao município de Braga. Victor Domingos referiu que a Braga Ciclável apresentou propostas em 2013 ao anterior executivo PS da Câmara Municipal de Braga e posteriormente ao actual executivo da coligação Juntos Por Braga. Propostas essas que se resumiam a dois pontos fundamentais:

1- Estacionamento dedicados para as bicicletas
Rede ciclável entre a Universidade do Minho e a Estação de comboios

2- Foi assinalado que apenas uma parte dessas propostas foram executadas. Foi considerado pelo elementos presente da associação que os estacionamentos ainda são insuficientes e para além disso a rede ciclável entre os dois pontos fulcrais da cidade continua por fazer.

Posteriormente, Fernando Bessa enquadrou esta iniciativa do BE de reunir com a associação no âmbito das propostas que o partido tem para o ambiente referindo que o mesmo é uma das prioridades no seu programa eleitoral.

Alexandra Vieira referiu que o uso bicicleta é parte fundamental para a neutralidade carbónica desejada por Portugal e pela Europa e elencou as propostas do partido no sentido de incentivar mais o uso da bicicleta em meio urbano, combinado os transportes públicos.

A Braga Ciclável aproveitou ainda para referir a importância da segurança rodoviária. Os excessos de velocidade e as largas vias que existem na cidade são um entrave a uma maior utilização da bicicleta porque provoca insegurança nos ciclistas urbanos. Rafael Remondes referiu que apesar de as velocidades serem de 30, 50 e 70 km/h, esses limites não são cumpridos pelos condutores e que é muito importante apostar mais na fiscalização e na sensibilização. Victor Domingos sublinhou ainda a pouca atratividade das infraestruturas cicláveis na cidade como sendo outro factor para não existirem mais ciclistas. Foi dada a nota sobre o pouco custo de algumas medidas que ajudariam a melhorar a rede ciclável da cidade como separadores físicos em algumas vias entre ciclistas e condutores.

Foi pedida ainda pelo BE a opinião da associação sobre as actuais ciclovias em Braga que existem em Lamaçães e pelo Rio Este. Pelo que ambas foram consideradas insuficientes, sem ligação a pontos principais e com muitos erros apontados pela associação em sede própria.

A reunião foi terminada com os candidatos do BE a enfatizar de novo a importância não só da bicicleta no seu plano para a emergência climática bem como de meios de transporte coletivos e públicos.

Braga Ciclável reuniu com concelhia do BE

Braga Ciclável reuniu com concelhia do BE


Na sequência do recente lançamento do Movimento Cívico #BragaZeroAtropelamentos e das diversas reuniões que vem realizando nesse âmbito, a associação Braga Ciclável reuniu esta segunda-feira, dia 17 de junho, com representantes da concelhia de Braga do BE – Bloco de Esquerda. O encontro serviu para apresentar o movimento #BragaZeroAtropelamentos e também para discutir diversos assuntos relacionados com a mobilidade pedonal e em bicicleta.

Na reunião estiveram presentes Alexandra Vieira, Jorge Vilela, Manuela Airosa e Rui Antunes do BE, e Arnaldo Pires, Mário Meireles e Victor Domingos, Sara da Costa e Rafael Remondes da associação Braga Ciclável. O presidente da Braga Ciclável, Mário Meireles, começou por traçar uma retrospetiva acerca da história, dos objetivos e do trabalho desenvolvido pela associação, referindo alguns dos seus projetos, iniciativas e reivindicações mais marcantes.

Por sua vez, Arnaldo Pires explanou as razões que motivaram a constituição do Movimento Cívico #BragaZeroAtropelamentos, de entre as quais se destaca o elevado número de atropelamentos no concelho que, ao longo dos últimos anos, têm causado a morte a dezenas de pessoas, entre outros danos. Dando o exemplo de Pontevedra, que em poucos anos conseguiu implementar medidas concretas que levaram a uma redução drástica no número e gravidade dos atropelamentos, explicou a importância de reduzir as velocidades de circulação em meio urbano e de criar infraestruturas, incluindo vias segregadas, que permitam que as deslocações a pé ou de bicicleta sejam feitas em segurança. A este respeito, salientou que é fundamental garantir que as imediações das escolas tenham passeios e passadeiras com boas condições e devidamente desimpedidos, e que as velocidades reais de circulação do trânsito motorizado não constituam risco para as crianças e jovens que se desloquem a pé ou de bicicleta. Criar condições para que os alunos possam deslocar-se em segurança pelos seus próprios meios ou em transportes públicos, defendeu Arnaldo Pires, é permitir que eles desenvolvam a sua autonomia pessoal. Ao mesmo tempo, seria uma forma de melhorar significativamente a fluidez do trânsito, já que para muitos pais já não seria necessário levarem diariamente os filhos à escola.

Mário Meireles destacou os exemplos positivos de Sevilha e de cidades outras cidades europeias que também conseguiram, recentemente, dar passos consideráveis no sentido da melhoria de condições para o uso da bicicleta e onde esse uso aumentou exponencialmente, reduzindo o número de automóveis no meio urbano, melhorando os transportes públicos e aumentando a segurança das vias para todos os seus utilizadores.

Relembrou que em Braga na altura em que se abriram as avenidas da Liberdade, Imaculada Conceição e João XXI apenas existiam “meia dúzia de carros em Braga”, citando um lojista que abriu a loja nessa época. E foi essa aposta na infraestrutura automóvel que captou as pessoas para o seu uso. O princípio a ser utilizado para potenciar o uso da bicicleta deve ser o mesmo, criar infraestruturas para que as pessoas passem a utilizar este modo de transporte.

Ainda no que diz respeito aos atropelamentos, Arnaldo Pires, médico de profissão, partilhou um pouco da sua experiência profissional, para concluir que todas as vidas contam e que o objetivo de todos os setores da sociedade tem de ser a Visão Zero, ou seja, reduzir para zero o número de atropelamentos. Algo que, afirma, pode ser alcançado, mas que sobretudo permite traçar uma meta clara. No entender da Braga Ciclável, é importante que sejam analisados os dados referentes aos atropelamentos, no sentido de identificar possíveis pontos negros e conceber intervenções eficazes, que deverão ser avaliadas de forma objetiva. Como exemplo de uma reflexão que consideram necessária, apontam o Nó de Infias, onde circular a pé ou de bicicleta continua a ser perigoso, ou mesmo a Rua Cidade do Porto, Rua do Taxa, Avenida Imaculada Conceição, Avenida João XXI e Rotunda das Piscinas que apresentam números de atropelamentos elevados e que podiam facilmente ser intervencionadas para acalmar o tráfego e serem implementadas medidas, de baixo custo, que beneficiariam a utilização da bicicleta.

É importante, defende Arnaldo Pires, que ao intervencionar esta e outras vias o Município garanta um desenho democrático das vias, isto é, um desenho inclusivo, onde as necessidades de todos os utilizadores, incluindo pessoas que andam a pé e de bicicleta, sejam devidamente acauteladas. Sugeriu que se criem zonas de coexistência, zonas escolas – com limitação de entrada do automóvel -, de zonas 30 e de uma rede ciclável estruturante.

Mário Meireles afirmou que “temos de começar a considerar a cidade de Braga de acordo com os limites geográficos da própria cidade, e não somente o centro histórico”. Como exemplos de medidas práticas que são necessárias um pouco por toda a cidade, e relativamente económicas e fáceis de implementar, referiu as passadeiras, que devem estar devidamente visíveis, elevadas ao nível do passeio, e com outras medidas de abrandamento do trânsito, incluindo estreitamento das vias. Por outro lado, recordou a necessidade de adaptar as rotundas por forma a apenas terem uma via de trânsito em cada saída, conforme parecer o jurídico que a Braga Ciclável divulgou, reduzindo assim o número de atropelamentos a pessoas que andam a pé e de bicicleta, bem como a probabilidade de colisão entre veículos nesses locais. Os cruzamentos, defende, devem também em muitos casos ser sobrelevados. Estas e outras medidas permitiriam reduzir a velocidade e o número de carros, aumentando assim a segurança e a fluidez do trânsito, com claros benefícios para todos.

Rafael Remondes deixou uma chamada de atenção para que as intervenções feitas sejam respeitando as melhores práticas, sem que se repitam os erros da Rua Nova de Santa Cruz, que continua a ter queixas, ou os erros em Guimarães, no qual pintaram passeios de vermelho e lhes chamaram ciclovias. Esta má prática levará apenas a conflitos entre pessoas que andam a pé e de bicicleta.

Sara da Costa mostrou-se preocupada com a possibilidade destas más práticas serem implementadas também em Braga, e lembrou que a promoção da utilização da bicicleta traz vários benefícios para o comércio e economia local, para a saúde da cidade e das pessoas que a utilizam, bem como para o ambiente.

A Braga Ciclável sugeriu que em todas as novas obras executadas as mesmas contemplassem, como requisito, medidas de acalmia de tráfego ou a criação de ciclovias (caso a velocidade e volume de tráfego o justifique). Todas as passadeiras da cidade deveriam ser sobre-elevadas e as velocidades efetivas reduzidas com a redução da largura da faixa de rodagem e das respectivas vias de trânsito, o estreitamento da faixa de rodagem nas interseções, bem como a adaptação das rotundas para que contemplem apenas uma via de trânsito na saída. Sugeriu ainda que se criem zonas de coexistência, zonas escolas – com limitação de entrada do automóvel -, de zonas 30 e de uma rede ciclável estruturante.

Alexandra Vieira, do BE, referiu que é necessária uma mudança de paradigma nas ruas da cidade para que estas possam permitir uma circulação em segurança de todas as pessoas.

Jorge Vilela, do BE, referiu que este assunto é de todo o interesse não só do Bloco de Esquerda, mas dos cidadãos, estando disponível para levar o assunto à Assembleia Municipal.
A Braga Ciclável pretende reunir proximamente com todas as forças políticas do município, bem como com diversas outras instituições, no sentido de unir esforços para acabar com os atropelamentos. A Visão Zero (isto é, o fim dos atropelamentos) é um objetivo que algumas cidades europeias já abraçaram, e a Braga Ciclável defende que Braga deve seguir esse exemplo e ambicionar uma cidade sem atropelamentos, porque todas as vidas contam.

Bloco de Esquerda reuniu com a Braga Ciclável

Bloco de Esquerda reuniu com a Braga Ciclável


No dia 14 de maio, a Braga Ciclável esteve presente no Parque da Ponte, na sequência de uma solicitação de reunião da Comissão Coordenadora Distrital de Braga do Bloco de Esquerda, para abordar a importância da bicicleta nas cidades.

Nesta reunião estiveram presentes 6 elementos do Bloco de Esquerda: Alexandra Vieira, Manuela Airosa, José Ribeiro, Rui Antunes e ainda os candidatos às Europeias, Ana Rute Marcelino e Miguel Martins. A associação Braga Ciclável esteve representada por Mário Meireles, Victor Domingos, Rafael Remondes e José Gusman Barbosa.

Ao longo de duas horas foram abordados diversos temas relacionados com a bicicleta e a cidade.

Foram debatidos os benefícios do uso da bicicleta no contexto da cidade de Braga, especialmente em distâncias até 5 km onde a cidade é praticamente plana e pode ter mais pessoas a utilizar a bicicleta. Mário Meireles explicou a necessidade do aumento do seu uso enquanto modo de transporte por forma a fazer com que Braga deixe de ser o terceiro concelho mais poluído do país.

A falta de segurança e de condições nas ruas das nossas cidades para a utilização da bicicleta de uma forma mais massiva tornam Braga o terceiro concelho com maior sinistralidade do país. Daí a necessidade de reversão das condições infraestruturais da cidade para permitirem uma mobilidade responsável.

A concluir, todos os intervenientes concordaram que é necessária uma estratégia municipal de mobilidade integrada que leve a uma redução do uso do automóvel, fazendo com que as deslocações interurbanas sejam feitas maioritariamente em transporte público, e as deslocações urbanas sejam maioritariamente feitas a pé, de bicicleta e de transporte público, numa lógica multi e intermodal.

A par disso, foi ainda dado a conhecer o projeto #BragaZeroAtropelamentos, ficando ainda de se agendar posteriormente uma reunião para que este projeto seja explanado de uma forma mais aprofundada.