Muitos de nós guardamos recordações felizes de uma infância ou juventude marcada pela presença da bicicleta. Primeiro, como brinquedo, mas mais tarde como meio de emancipação, um modo de transporte de baixo custo, acessível e sem requisitos complicados. Hoje em dia, demasiadas vezes esquecemos esse potencial libertador e utilitário da bicicleta, e apenas a consideramos, erradamente, como um mero brinquedo.

Pode parecer uma discussão fútil e despropositada, mas não é. A bicicleta tem algumas características que fazem dela a melhor opção de transporte para boa parte das nossas deslocações diárias, com vantagens impossíveis de igualar por outros modos de transporte.

Em trajetos curtos, por exemplo de 3 a 5 quilómetros, o tempo de viagem em bicicleta costuma ser até mais curto, quando comparado com a mesma viagem em automóvel. Além disso, os custos de aquisição e manutenção de uma bicicleta são 5 a 10 vezes mais baixos, ou seja, poupamos dinheiro.

Ao mesmo tempo que nos deslocamos para o trabalho, para a escola, para a universidade ou para as compras do dia-a-dia, indo de bicicleta estamos a aproveitar para fazer exercício físico, sem arcar com os custos de tempo e dinheiro associados aos ginásios.

Finalmente, quando há escassez de combustível nos postos de abastecimento, até isso já não nos afeta de forma tão direta, e podemos prosseguir a nossa viagem sem preocupações.

Encarar a bicicleta como mais uma das nossas opções de transporte pode facilmente traduzir-se numa transformação libertadora a nível pessoal. Menos despesa, menos tempo perdido, mais saúde, melhor disposição. Não é evidentemente solução para todas as necessidades de transporte, mas é sem dúvida o melhor transporte em muitas situações nas quais habitualmente ainda usamos o carro.

O desafio que vos lanço, agora que estamos em plena primavera, é que considerem experimentar utilizar a bicicleta no dia-a-dia. Uma ou várias vezes por semana, todos os dias, ou só às vezes.

Vai ser uma experiência inesquecível!

Victor Domingos

Escritor independente. Aprendiz de poeta, de ciclista e de tantas tantas coisas mais.
Victor Domingos