Foi assim o regresso dos Encontros com Pedal

Foi assim o regresso dos Encontros com Pedal

Realizou-se este sábado, dia 10 de junho, pelas 17h00, em Braga, uma nova edição dos Encontros com Pedal, numa parceria da Associação Braga Ciclável com o blogue Aqueles Que Viajam. Conviver, partilhar experiências sobre a utilização da bicicleta e passear pelo centro da cidade neste meio de transporte foi o mote para este grupo de ciclistas se encontrarem junto à emblemática esplanada do café A Brasileira. 

E foi dali, tal como era aliás habitual há alguns anos, que saiu o grupo para um passeio de bicicleta em direção a um lanche cheio de boa disposição. O destino, para além da passagem por alguns dos “postais turísticos” do centro, era a zona da Sé. A Dona Petisca, um dos estabelecimentos daquela área, esteve encarregue de servir uma mesa que deliciou o apetite e a boa disposição dos presentes. (mais…)

Trabalhar em bicicleta? Porque não?!

Trabalhar em bicicleta? Porque não?!

Karl von Drais, quando há 200 anos inventou a percursora da actual bicicleta, talvez não tenha tido a noção de que este seria provavelmente o momento do nascimento da mobilidade individual. Fazer-se transportar sem um animal era, até então, impossível. “Draisiana” é a avó alemã da bicicleta, uma máquina que atingia 15 km/h.
A bicicleta é uma inspiração, símbolo de liberdade e de emancipação. Ainda que utilizada pela nobreza por diversão, no último quarto do século XIX, com a crescente industrialização, esta tornou-se o principal veículo das classes operárias.

Mais tarde, profissões em bicicleta como carteiro, bombeiro, alfaiate, amolador, sapateiro, entre outras, eram extremamente comuns. Com simples alterações, dotando a bicicleta das ferramentas e máquinas necessárias, esta tornava-se num versátil e indispensável instrumento de trabalho.

Estas profissões são uma herança e inspiração para os dias que correm. Se estes eram os empreendedores de outrora, hoje a diversidade de profissões em bicicleta é inacreditável. O uso da bicicleta, em substituição dos veículos motorizados, para determinadas profissões, é um excelente passo em direção a uma verdadeira (r)evolução e reinvenção. Um pouco por toda a Europa, são exemplos destas profissões:

  • Bike Courriers / Bike Messenger: são uma nova opção de entrega de documentos e encomendas de forma rápida e eficaz.
  • Biker Advertising: forma muito verde de publicitar uma empresa ou evento, captando mais olhares que um tradicional outdoor.
  • Mobile Laundry Bikers: estes ciclistas recolhem as roupas sujas em casa dos clientes, entregando as mesmas após estarem prontas.
  • Bicycle Movers: com cargo bikes, estes ciclistas recolhem pequenos móveis e ajudam o cliente na mudança de casa, dá para acreditar?
  • Bike Tour Guide: haverá forma mais agradável de conhecer e percorrer as ruas de uma cidade, do que acompanhado por um guia em bicicleta?
  • Ambulance / Police cycle teams: profissionais de saúde e polícia que fazem as suas deslocações diárias de trabalho em bicicleta.

Portugal começou já a dar as primeiras pedaladas neste sentido, e um dia, será uma constante, acreditamos nós!

Segurança na cidade

Segurança na cidade

Já passou mais de um ano desde a última vez que andei de bicicleta! Assim que descobri que estava grávida, também por recomendação do médico, não quis arriscar pedalar! Passaram os nove meses e, já com a princesa cá fora, a bicicleta continuava a acumular pó! Agora, meio ano depois, ainda não arrisco pedalar, mas tenho esperança que brevemente o farei… muito em breve!

Como devem ter reparado, recentemente a cidade de Braga tem vindo a reunir algumas condições que nos permitem percorrer boas distâncias, com alguma segurança! Com a “conclusão” da última fase da ecovia “ribeirinha” do Rio Este, somos capazes de atravessar praticamente a cidade numa via ciclável única (no último troço) e partilhada com via pedonal! Atendendo às recomendações da Braga Ciclável, a C.M. Braga fez com que a ecovia melhorasse consideravelmente e contribuisse com que eu e mais pessoas ganhassem a vontade e coragem para voltar a pedalar ou caminhar em segurança! Este Verão será a minha estreia e, talvez, a da princesinha! Juntamente com a restruturação da Rua Nova de Santa Cruz, que ligada à D. Pedro V e unida à Avenida Central, fará com que pedestres e velocípedes não motorizados façam o percurso Universidade > Estação de caminhos de ferro > Universidade em segurança! (mais…)

Estão de volta os Encontros com Pedal!

Estão de volta os Encontros com Pedal!

É já este sábado, dia 10 de junho, pelas 17h00, que se realiza em Braga uma nova edição dos Encontros com Pedal, numa parceria da Associação Braga Ciclável com o blogue Aqueles Que Viajam. O ponto de encontro continua a ser na emblemática esplanada do café A Brasileira, de onde sairá o passeio de bicicleta em direção a um lanche cheio de boa disposição.

Este evento consiste num encontro informal de ciclistas urbanos, mas aberto à livre participação de todos os cidadãos. Todos podem aparecer e são bem-vindos para virem pedalar. De referir, contudo, que desta vez haverá no final um lanche na Dona Petisca (junto à Sé), que servirá uma “tábua ciclista” composta por petiscos deliciosos e duas cervejas fresquinhas. Como o espaço no local é limitado, apesar de todos poderem participar no passeio de bicicleta, o lanche em si requer inscrição prévia e um pagamento no valor de 7 euros (limitado às primeiras 15 inscrições). A inscrição e pagamento devem ser efetuados até às 18h de sexta-feira (dia 9). 

Para se inscrever, cada participante deverá enviar um email com o seu nome e contacto telefónico para o email naiara@aquelesqueviajam.com, com o assunto “Inscrição Encontros Com Pedal”. O pagamento deve ser realizado por transferência bancária para o IBAN da nossa organizadora Naiara Back (IBAN: PT50 0007 0000 0019 0010 2942 3). Para não falhar nada, agradecemos por favor o envio do comprovativo para o endereço de email já referido. 

Os Encontros Com Pedal, uma das várias iniciativas da comunidade bracarense que, há alguns anos, foram convergindo no sentido de vir a ser fundada a Associação Braga Ciclável, consistem em eventos informais que proporcionam uma oportunidade de convívio e incentivo ao uso quotidiano da bicicleta como meio de transporte. O foco principal é sempre o convívio e a agradável conversa a pretexto de um simples passeio de bicicleta, promovendo também, naturalmente, a prática desportiva e o bem-estar pessoal, a divulgação cultural e ainda, ocasionalmente, eventos de apoio a instituições de solidariedade social. 

Vamos lá pedalar?

Extensão da Via Pedonal e Ciclável do Rio Este inaugurada

Extensão da Via Pedonal e Ciclável do Rio Este inaugurada

A extensão para nascente da Via Pedonal e Ciclável do Rio Este foi inaugurada oficialmente no domingo, dia 4 de junho, com a realização de uma Caminhada Solidária organizada pela Associação de Antigos Alunos da Escola Industrial e Comercial de Braga. A inauguração foi feita pelo próprio presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, que se fez acompanhar por Sameiro Araújo, vereadora do Desporto, e Miguel Bandeira, vereador do Urbanismo.

Ricardo Rio informou que, apesar de estar a ser feita a inauguração, há ainda trabalhos que ainda não começaram, nomeadamente os relacionados com a iluminação pública. Essa parte do projeto já estará em fase de concurso e consistirá não só na iluminação deste novo troço, mas também num reforço da mesma no antigo troço.

Depois de em abril termos redigido uma carta aberta ao vereador do Ambiente, Eng. Altino Bessa, ainda durante a fase de obra, é com agrado que verificamos que diversas medidas de acalmia de tráfego foram entretanto introduzidas nas interseções com as vias destinadas a tráfego motorizado. Essa intervenção era fundamental para garantir o atravessamento em segurança naqueles locais.

Apesar de não terem sido sobreelevados os atravessamentos conforme propusemos (provavelmente porque essa medida não havia sido contemplada na fase de conceção), as soluções encontradas parecem ser suficientes para minimizar os riscos e garantir que o atravessamento é feito em segurança por todos os utilizadores da via pedonal e ciclável.

Assim, verificamos que tanto na Rua da Fábrica como na Av. Mestre José Veiga foram colocados balizadores por forma a efetivar um estreitamento das duas faixas de rodagem, tornando as vias de trânsito mais estreitas, o que por si só leva a que os condutores reduzam a velocidade. Para além disso, em ambas as ruas foram colocadas deflexões verticais quadriláteras que também obrigam os condutores a diminuir as velocidades. Na Rua da Fábrica foi colocada ainda uma deflexão horizontal, a seguir à deflexão vertical, que assegurará que quem for a atravessar a rua conseguirá ver e ser visto por quem circule na Rua da Fábrica.




Para além destas três medidas de acalmia de tráfego, que estão a cumprir o objetivo de reduzir as velocidades de tráfego neste local e aumentar a visibilidade, foram colocadas as sinalizações corretas de atravessamento. Tanto as horizontais, com as passagens para peões e passagens para velocípedes devidamente identificadas. Aliás, Braga tem agora, pela primeira vez, dois atravessamentos para velocípedes corretamente sinalizados.




Para além da sinalização horizontal, foram ainda devidamente sinalizados verticalmente estes atravessamentos.




No início/fim da extensão da via pedonal existe a sinalização horizontal das vias, com os pictogramas dos velocípedes, que indicam o sentido de cada lado da parte vermelha, e o pictograma do peão que indica que a parte amarela da via é a dedicada aos peões. Apesar de existir esta informação em alguns pontos, julgamos ser necessário aumentar o número de locais com esta sinalização, colocando-os de x em x metros, por exemplo de dois em dois postes de iluminação.


Foram ainda colocadas barreiras laterais para evitar possíveis quedas ao rio. No entanto o seu design deixa-nos com dúvidas sobre a sua capacidade efetiva de proteção no caso de crianças, uma vez que a parte em madeira é alta e deixa um espaço inferior aberto.





A antiga ligação em cimento à via pedonal e ciclável mista do rio este foi agora pintada de amarelo e debaixo do Viaduto da Av. Frei Bartolomeu dos Mártires foram também pintados de amarelo os tubos que aí se encontram por cima das cabeças de quem circula na via pedonal e ciclável. A ponte continua a antiga de madeira, que continua a não reunir as condições necessárias de conforto e segurança para o atravessamento em bicicleta.

Quanto aos problemas que havíamos identificado nos acessos a este novo troço a partir da Avenida dos Lusíadas, da Praceta João Beltrão/Rua Cónego Rafael Álvares da Costa, da Rua Constantino Souto Maior e da Rua Matias Ferreira de Sá continuam por resolver. Esperemos que esta matéria de trânsito seja brevemente resolvida, por forma a garantir o acesso seguro a esta via pedonal e ciclável que verá agora certamente um aumento da sua procura.




Para além destes problemas, havíamos identificado outras necessidades que a parte mista da via pedonal e ciclável tem. Agora consideramos que as soluções de abrandamento do tráfego encontradas para os atravessamentos da Rua da Fábrica e da Avenida Mestre José Veiga podem e devem ser replicadas na Avenida 31 de Janeiro e na Rua Monsenhor Airosa.


Braga Ciclável reuniu com CDU

Braga Ciclável reuniu com CDU

A Associação Braga Ciclável reuniu este sábado, dia 3 de junho, com o candidato da CDU às próximas eleições autárquicas, Carlos Almeida, para apresentação de uma proposta relacionada com a mobilidade urbana sustentável para Braga. Trata-se da segunda de uma série de reuniões que a Braga Ciclável pretende realizar, com cada uma das forças políticas que concorrem este ano para a eleição do próximo executivo municipal.

A associação esteve representada por Mário Meireles e Marta Sofia Silva (membros da Direção), e Luís Tarroso Gomes (membro do Conselho Fiscal), que entregaram pessoalmente ao candidato Carlos Almeida e à sua equipa um breve dossiê com algumas medidas de promoção da utilização da bicicleta e de melhoria da segurança para todos os utentes da via pública. Os utilizadores da bicicleta esperam assim que estas e outras medidas venham a ser incluídas no programa eleitoral deste ano.

As medidas propostas são diversas e vão desde a implementação dos 80 km de rede ciclável, já anteriormente prometidos pela CMB, até à colocação de bicicletários, a sobreelevação de todas as passadeiras para proteção dos peões, a criação de um sistema de bicicletas partilhadas, o aumento da frota de bicicletas das forças policiais da cidade, a implementação de programas municipais de incentivo do uso da bicicleta, entre outras.

Uma vez que o dossiê não havia sido entregue previamente, esperamos ainda receber uma resposta oficial da candidatura da CDU após a sua análise da proposta agora apresentada.

Entretanto, estão ainda a ser agendadas as reuniões com os candidatos da coligação PSD/CDS/PPM, bem como do PS.

Rua Nova de Santa Cruz

À margem deste tema foi ainda discutida a obra em execução na Rua Nova de Santa Cruz, local escolhido pela CDU para reunir com a Braga Ciclável. Relativamente a este assunto a Braga Ciclável mantém a opinião de que uma via ciclável segregada, neste caso, é uma armadilha e um erro técnico, uma vez que a obra que está a ser executada não pretende ter volumes e velocidades de tráfego automóvel que justifique essa segregação. Para além disso não existe, claramente, espaço físico para tal. Para além disso foi dito, na apresentação pública, que toda a rua, desde a rotunda da UM até perto da Fábrica Confiança, seria à mesma cota. Tal não se está a verificar. A Braga Ciclável mostra-se assim apreensiva e preocupada com a solução que está a ser implementada nesta rua.

Carlos Almeida, candidato da CDU ao Município de Braga, deu nota da sua preocupação com a execução desta obra que claramente não irá resolver os problemas de constrangimento causados ao transporte público pelo transporte individual, possivelmente irá agravar este problema, porque não é possível os autocarros se cruzarem naquilo que estamos a ver a ser implementado. Para além disso neste momento estamos a ver os automóveis a apoderarem-se do espaço destinado a paragens de autocarro, zonas de circulação de bicicletas e passeios, impedindo inclusive a circulação de pessoas no mesmo. Deixou ainda nota da preocupação sobre a solução encontrada para a bicicleta, que não lhe parece a correta.

Audácia

Audácia

No que a mim me toca, os meus sinceros parabéns à Câmara de Braga, pelo arrojo em trazer até à cidade a Braga Street Stage, uma prova urbana do desporto automóvel, inserida na passagem por Portugal do WRC – World Rally Championship. Polémicas, inconvenientes e discussões à parte, há que admitir que alterar o normal decorrer da vida do centro de uma cidade com a dimensão de Braga, com alteração/proibição da circulação em algumas artérias principais e pontos nevrálgicos de distribuição automóvel e pedonal, em nome da projeção internacional da cidade e da paixão pelo desporto automóvel, requer uma certa dose de atrevimento. Se por um lado, confesso não ser a maior apreciadora do desporto automóvel, por outro aprecio uma certa dose de audácia.

E se é da audácia do executivo que falamos, mantenho a esperança de que ela não seja sol de pouca dura e apenas focalizada em certos assuntos e interesses de alguns. Que a audácia se mantenha, entre outras matérias, na questão da mobilidade. Se houve coragem por parte da CMB ao afirmar as intenções (realistas ou não) de, até 2025, reduzir em 25% a taxa de utilização automóvel e construir 76 kms de pistas cicláveis ao serviço daqueles que preveem ser 18 mil utilizadores de bicicleta, que haja audácia na prossecução desta mesma intenção.

Se efetivamente o executivo camarário pretende cumprir o objetivo de redução da taxa de motorização, são necessárias medidas eficazes e urgentes. É premente formar e sensibilizar os cidadãos para os benefícios da mobilidade sustentável, para a existência de meios de deslocação alternativos em trajetos rápidos e para a sua contribuição na rentabilização da relação tempo-custo.

A proposta-teste da CMB em desacelerar o centro pela sobreelevação das passagens para peões e pelo estreitamento do espaço de circulação automóvel começou recentemente numa artéria de grande tráfego de Braga. Se é precisa audácia para dar esse passo? Diria que sim, mas é necessária uma dose bem maior para o estender ao restante centro da cidade.

E que ela não lhes falte… porque a sorte protege os audazes!

Braga Ciclável reuniu com Bloco de Esquerda

Braga Ciclável reuniu com Bloco de Esquerda

A Associação Braga Ciclável reuniu esta esta 4ª feira, dia 24 de maio, com a candidata do Bloco de Esquerda às próximas eleições autárquicas, Paula Nogueira, para apresentação de uma proposta relacionada com a mobilidade urbana sustentável para Braga. Trata-se da primeira de uma série de reuniões que a Braga Ciclável pretende realizar, com cada uma das forças políticas que concorrem este ano para a eleição do próximo executivo municipal.

A associação esteve representada por Mário Meireles e Victor Domingos (membros da Direção), e Antony Gonçalves (membro do Conselho Fiscal), que entregaram pessoalmente à candidata Paula Nogueira e à sua equipa um breve dossiê com algumas medidas de promoção da utilização da bicicleta e de melhoria da segurança para todos os utentes da via pública. Os utilizadores da bicicleta esperam assim que estas e outras medidas venham a ser incluídas no programa eleitoral deste ano.

Braga Ciclável reune com Paula Nogueira, candidata do Bloco de Esquerda

As medidas propostas são diversas e vão desde a implementação dos 80 km de rede ciclável, já anteriormente prometidos pela CMB, até à colocação de bicicletários, a sobreelevação de todas as passadeiras para proteção dos peões, a criação de um sistema de bicicletas partilhadas, o aumento da frota de bicicletas das forças policiais da cidade, a implementação de programas municipais de incentivo do uso da bicicleta, entre outras.

Uma vez que o dossiê não havia sido entregue previamente, esperamos ainda receber uma resposta oficial da candidatura do Bloco de Esquerda após a sua análise da proposta agora apresentada.

Entretanto, estão ainda a ser agendadas as reuniões com os candidatos das coligações CDU e PSD/CDS/PPM, bem como do PS.

Sai da frente, ó ciclista!

Sai da frente, ó ciclista!

– Quantas vezes lhe apareceu um ciclista na estrada que o deixou nervoso?

Se respondeu ou pensou “várias” ou “todas”, recomendamos que leia este artigo até ao final!

Desde Janeiro 2015 o Código da Estrada sofreu alterações, parte das quais relacionadas com a circulação de bicicletas. Uma das principais modificações foi a aplicação da regra geral de cedência de passagem também aos velocípedes. Se antes, num cruzamento não sinalizado, o ciclista tinha de deixar passar os veículos motorizados, agora simplesmente tem prioridade quem se apresenta pela direita. De referir contudo que no caso dos cruzamentos e rotundas com sinalização nada mudou, nesse caso a sinalização de cedência de passagem aplica-se a todos, independentemente de se tratarem carros ou bicicletas.

Também vale a pena referir o fim da obrigatoriedade de circular o mais à direita possível. Agora o ciclista pode e deve reservar uma distância segura e razoável, face à berma da estrada, de modo a evitar acidentes.

Uma regra frequentemente esquecida, mas muito importante, é a que obriga os condutores a abrandar e assegurar uma distância mínima lateral de 1,5 metros relativamente ao ciclista no momento da sua ultrapassagem. Adicionalmente, é obrigatório mudar para a via da esquerda durante a manobra da ultrapassagem. (mais…)