São vários os argumentos apresentados por muitas pessoas para a utilização diária do automóvel nas suas deslocações em detrimento de meios de transporte mais suaves, como a bicicleta ou os transportes públicos. Insegurança das infraestruturas, mentalidade e falta de respeito pelo próximo e pelo código da estrada por parte dos condutores, condições atmosféricas, longas distâncias, abrangência insuficiente da área de afetação dos transportes públicos ineficácia e incumprimento de horários de circulação dos transportes públicos, entre outros.

E sabem que mais? Desde que, por motivos profissionais, comecei a trabalhar fora do centro da cidade, me apercebi que por maior que seja a boa vontade em utilizar a bicicleta ou o autocarro, o facto é que isso se demonstrou rapidamente inviável. Desde autocarros que não cumprem horários e, por várias vezes, nem aparecem, até às altas velocidades atingidas pelos carros no trajeto que faço diariamente, já para não falar na total ausência de vias cicláveis, o facto é que não me sinto segura nem assegurada pelo sistema alternativo de transportes. Tudo isto me leva a concordar que, efetivamente, aqueles argumentos não são desculpas, mas sim factos.

Conduzo todos os dias e não gosto. Não da condução em si, mas dos constantes engarrafamentos, nas artérias do centro histórico como na circular urbana, da falta de saber estar e conviver de quem conduz, de me ver obrigada a estar fechada numa caixa que em nada contribui para a minha salubridade, tudo isto por falta de alternativas verdadeiramente eficazes e seguras. Quero que a cidade em que vivo me dê escolha. Não quero ter que procurar outra, quero que esta o faça.

Todos temos as nossas causas. A mobilidade é a minha. Mas há causas mais perdidas do que outras, mais difíceis do que outras. A mobilidade é tomada por muitos como acessória, mas é um dos fatores determinantes para a qualidade de vida. É essencial.

“Até que a voz me doa”, como cantava a Maria da Fé? Vou tentando. Vou erguendo a voz em defesa da mobilidade suave e da bicicleta. Já está um pouco rouca e cansada, mas muitas vezes tem necessidade de descansar para voltar à luta. E voltou.

Marta Sofia Silva
Marta Sofia Silva

Latest posts by Marta Sofia Silva (see all)

%d bloggers like this: