É óbvio que ninguém consegue fazer futurologia e prever o futuro, mas é consensual que é no presente que se age por forma a preparar a cidade do futuro.

Desde a invenção da bicicleta, em Junho de 1817, e até aos anos 50 do século XX a bicicleta e os transportes públicos eram quem circulava pelas ruas da cidade de Braga.

No final do século XIX muitos dos cartazes das festas de São João tinham, como programa principal, corridas de bicicletas. Em 1904/1905 é construído um velódromo em São João da Ponte. Existiam vélo-cafés, lojas de alugueres e venda de bicicletas e até os negócios locais vendiam em bicicleta, como por exemplo a sorveteria de São Victor.

Nos anos 50 é instalado o primeiro motor Pachancho numa bicicleta Sameiro (uma das várias marcas de bicicletas produzidas em Braga). É nesta altura que Santos da Cunha prepara a cidade de Braga para receber os carros, abrindo enormes avenidas numa altura em que apenas meia dúzia de pessoas, com mais posses, tinham carro. A restante população utilizava o transporte público ou a bicicleta e alguns as motorizadas. Desde então que a construção das condições (infraestruturas) foram um convite à utilização do carro, e toda a gente queria ter um. A juntar a isso houve uma enorme promoção do seu uso, ainda que estes matassem pessoas e ocupassem espaço público.

Hoje temos uma Braga saturada de carros, que provocam demasiada poluição, com excesso de lugares de estacionamento na rua, com estacionamento em segunda e terceira fila, com as paragens de autocarro cheias de carros mal-estacionados, com o congestionamento em Braga a degradar o serviço de transporte e com a sinistralidade rodoviária elevada, e velocidades dos carros inaceitáveis em plena cidade.

O futuro passará por reduzir as velocidades, reduzir o espaço dedicado ao automóvel, acalmar o tráfego em certas ruas permitindo a circulação de bicicletas em segurança e criar espaço dedicado para as mesmas noutras ruas e criar sistemas de partilha. Sistemas de partilha de bicicletas e de carros na zona densa e plana da cidade de Braga serão uma realidade no futuro. As cidades na europa, em toda a europa, já possuem estes sistemas em complementaridade com os transportes públicos por forma a reduzirem o uso dos carros. Braga não será diferente.


(Artigo originalmente publicado na edição de 01/03/2017 do Diário do Minho)

Mário Meireles
Sigam-me

Mário Meireles

Engenheiro de Mobilidade Urbana - Interfaces Físicos at TUB - Transportes Urbanos de Braga
Utilizador diário da bicicleta como meio de transporte é licenciado em Engenharia Informática, mestre em Engenharia Urbana: Cidades Sustentáveis e PhD Student na área dos transportes e mobilidade.

A sua dissertação de mestrado teve como título "Como Promover a Mobilidade Ciclável em Portugal. O caso da cidade de Braga."
Mário Meireles
Sigam-me

Latest posts by Mário Meireles (see all)

%d bloggers like this: