Posso dizer que a maior parte das minhas deslocações na cidade de Braga são feitas de bicicleta e muitas são as vezes que tenho que transportar carga. Para isso a minha bicicleta tem um porta-bagagens traseiro, onde coloco os alforges impermeáveis, e instalei há bem pouco tempo um porta-cargas frontal com um cesto que me permite transportar até 50 litros de carga.

Soluções para transportar carga não faltam: desde alforges, porta alforges, cestos, atrelados ou mesmo bicicletas especiais para carga, as chamadas cargobikes de marcas como a Bakfiets, Nihola, Yuba, Larry vs Harry – Bullit ou mesmo bicicletas de carga da Órbita e outras marcas mais habituais.

Como utilizo a bicicleta em grande parte das minhas deslocações, isso permite-me aceder ao comércio local com muita mais facilidade. Um dia parei no Mercado Marizé, que existe na Rua Prof. Dr. Elísio de Moura, para comprar algumas coisas que me faltavam. Estava eu a prender a bicicleta quando um Audi topo de gama galga o passeio e estaciona em cima do mesmo. Sai do carro um rapaz, provavelmente caloiro nestas andanças do trânsito e com um carro oferecido pelos seus papás para garantir que o menino anda em segurança. Com um sorriso gozão na cara, aborda-me e pergunta-me “Então, também vais levar aí as batatas?”. Eu retribuí o sorriso e respondi: “Se for preciso levo”.

Este pequeno episódio demonstra que ainda existe uma enorme falta de conhecimento no que diz respeito à bicicleta e ao seu uso, e demonstra ainda que existe um preconceito para com a mesma por parte de algumas pessoas. Não é por falta de carro ou de dinheiro que escolho a bicicleta para me deslocar na cidade. É a minha opção por me deixar menos stressado no dia a dia, sem ter que estar em filas de trânsito ou as chatices, por poder desfrutar da cidade, por me poder deslocar mais rápido, por ser mais conveniente. Mas, faltam infraestruturas para que as pessoas se sintam seguras nas suas deslocações. Se queremos realmente aumentar de 0,4% para 10% os utilizadores da bicicleta e reduzir de 65% para 40% o uso do automóvel em Braga, então é preciso investir nas nossas ruas e torná-las ruas completas, onde todos tenham o mesmo direito de circular em segurança.

Mário Meireles
Sigam-me

Mário Meireles

Engenheiro de Mobilidade Urbana - Interfaces Físicos at TUB - Transportes Urbanos de Braga
Utilizador diário da bicicleta como meio de transporte é licenciado em Engenharia Informática, mestre em Engenharia Urbana: Cidades Sustentáveis e PhD Student na área dos transportes e mobilidade.

A sua dissertação de mestrado teve como título "Como Promover a Mobilidade Ciclável em Portugal. O caso da cidade de Braga."
Mário Meireles
Sigam-me

Latest posts by Mário Meireles (see all)

%d bloggers like this: